Soluções tecnológicas deixaram de ser tendência para se tornar realidade no agronegócio brasileiro
4 de setembro de 2018
Abertas inscrições para a Biofach 2019
5 de setembro de 2018

Representantes da cadeia de proteína animal se unem para promover o uso correto de antibióticos

“Aliança” foi criada por 11 entidades que atuarão nos campos da comunicação, educação e capacitação para o manejo adequado destes medicamentos

Em resposta ao Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos (PAN-BR), entidades do setor privado lançaram hoje (4), em São Paulo, a Aliança com o objetivo de proteger a saúde e o bem-estar animal em uma abordagem unificada, promover o uso de antibióticos de forma racional e responsável, incentivar o desenvolvimento de novos produtos e tecnologias para prevenção e tratamento de doenças, proteger o comércio de proteína animal, promover a prevenção a doenças e o maior acesso da cadeia a produtos, tecnologia e conhecimento e aumentar a transparência e a comunicação a respeito da resistência antimicrobiana. “O que queremos com a Aliança é facilitar e viabilizar o uso consciente e responsável daquilo que se usa em medicina veterinária”, disse João Palermo Neto, consultor independente da Aliança e professor titular da USP.

De acordo com Sheila Guebara, coordenadora da Aliança, a iniciativa trabalhará em quatro frentes principais: Comunicação; Inventário do Uso de Antimicrobianos; Vigilância de Bactérias Resistentes e Logística Reversa.

A resistência antimicrobiana é uma preocupação global e o Brasil assumiu em 2015 o compromisso de concretizar um plano nacional que promovesse o uso correto desses medicamentos. “Muito mais do que reduzir o uso, é fundamental que os antibióticos sejam ministrados na dose certa, no momento certo e para a espécie indicada”, disse Palermo.

“Nesse sentido, o Mapa tem estudado a possibilidade de exigir prescrição veterinária para a compra de antibióticos para animais de forma parecida ao que é feito para humanos” (em que uma cópia da receita médica é retida na farmácia), disse Gabriela Mura, técnica do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan).

Segundo Sheila Guebara, a Aliança assumiu o compromisso de implementar todas as ações propostas até 2022.

Participam da Aliança – SINDAN, ALANAC, SINDIRAÇÕES, ABPA, ABIEC, ASSOCON, ABCS, CNA, Viva Lácteos, ABIQUIF, Peixe BR.

PAN-BR

O PAN-BR faz parte do esforço internacional para o enfrentamento da resistência aos antimicrobianos, atendendo às recomendações da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O Plano está voltado para otimização e uso racional destes produtos, com ênfase na prevenção das infecções por meio da adoção de boas práticas agropecuárias, pela implementação das práticas de manejo sanitário e medidas de biosseguridade. Também está voltado para o monitoramento da resistência e do uso de antimicrobianos em animais e pela garantia da produção de alimentos sustentáveis, inócuos e competitivos.