Sustentabilidade na estratégia de negócio do agro
18 de junho de 2019
Rubens Chaves/Pulsar Imagens
Nestlé abre plataforma piloto de blockchain para consumidor rastrear cadeia de suprimentos
4 de julho de 2019

Mudanças no calendário de semeadura elevam riscos para soja

Sergio Ranalli/Pulsar Imagens

View of drone from soybean plantation in different stages of maturation em Leópolis PR Foto: Sergio Ranalli

Abertura de janelas de plantio fora da época recomendada é conflitante com boas práticas agrícolas e favorece proliferação de pragas e doenças

Ronaldo Luiz

Sergio Ranalli/Pulsar Imagens

Lavouras de soja em diferentes estágios de maturação, em Leópolis, PR

A abertura de novas janelas de plantio para semeadura da soja – solicitada por algumas entidades – seria uma medida conflitante com as boas práticas agrícolas, com potencial para comprometer a prevenção e o controle fitossanitário das lavouras da oleaginosa. Foi o que alertou Luís Henrique Carregal, engenheiro agrônomo, fitopatologista e pesquisador da Agrocarregal, de Rio Verde (GO), durante a 5a. Conferência Santa Clara Agrociência, nesta quarta-feira (03), em Ribeirão Preto/SP.

Na avaliação do especialista, a manutenção dos calendários de semeadura – que são segmentados por regiões e respeitam os princípios agronômicos – é fundamental para a diminuição da ocorrência de pragas e doenças no cultivo da soja, especialmente do fungo causador da ferrugem asiática.

Segundo Carregal, mudanças nos períodos de plantio elevam o risco de perda da eficiência dos defensivos, com consequente aumento e possível descontrole da população de pragas e da ocorrência de doenças. O resultado, acentuou, são danos à produção, perda de rendimento e maiores gastos com agroquímicos para controlar a situação. 

Recomendações

Confira dicas do especialista para o processo adequado de monitoramento, controle e combate de pragas e doenças, especialmente da ferrugem asiática, nas lavouras de soja:

:: Respeitar o vazio sanitário [período em que plantas vivas de soja não podem estar em áreas de cultivo];

:: Realizar a rotação de grupos químicos e ingredientes ativos, bem como de culturas;

:: Usar fungicidas complementares;

:: Preferir o uso de produtos multimarcas;

:: Optar por cultivares de ciclo mais curto e com resistência genética;

:: Nutrição equilibrada;

:: Aplicação preventiva e executada com boa tecnologia.

Novas tecnologias

No evento, a Santa Clara Agrociência apresentou seu novo portfólio de soluções em nutrição vegetal e de proteção de cultivos, com foco em fertilizantes especiais e biodefensivos, respectivamente. 

Foto: Sérgio Ranalli/Pulsar Imagens.