Thomaz Vita Neto/Pulsar Imagens
Mapa simplifica norma de exportação
28 de novembro de 2018
Expansão da infraestrutura de telecom no campo passa por modelo diferente ao das cidades, diz especialista
30 de novembro de 2018

Minerva Foods e Phibro Animal Health anunciam parceria

Batizado de PEC – Programa de Eficiência de Carcaça – iniciativa quer produzir o bovino do futuro

Na última terça-feira (27), a exportadora de carne bovina Minerva Foods e a Phibro Animal Health, empresa em saúde e nutrição animal, anunciaram, em São Paulo, parceria na criação de um Programa de Eficiência de Carcaça (PEC), cujo objetivo principal é a produção de bovinos que tenha constância de oferta, precocidade, excelente acabamento de gordura, carcaça uniforme, bom peso para abate, padronização e ph da carne. “Entendemos que este é um mercado de commodities, cujas exigências, por um produto de melhor qualidade, vêm aumentando. O Programa vem para atender a esta demanda”, disse Fabiano Tito Rosa, diretor de compra de gado da Minerva Foods.

“Este é um programa com resultados a longo prazo. Queremos fazer com que o pecuarista entenda que ele não é produtor de boi, mas de carne. Só assim, conseguiremos produzir carne de melhor qualidade para frigoríficos e consumidores”, acrescentou Maurício Graziani, presidente da Phibro Animal Health no Brasil.

A ideia do projeto, apresentada pelas empresas, é oferecer aos produtores oportunidade para melhorarem os seus indicadores de eficiência em termos de padronização e produção de carcaças com maior valor para os consumidores. Para isso, o programa possui um modelo de reconhecimento, valorização e divulgação das melhores práticas, visando padronização. “Neste primeiro ano, vamos usar o PEC como um laboratório para identificar o valor do animal, do produto que os pecuaristas estão entregando”, disse Rosa.

Melhor aproveitamento de carcaça

Quando questionados se no Brasil não há animais de qualidade, Luis Ricardo Luz, COO da Minerva Foods, foi enfático “Não falta boi de qualidade, mas ainda é um desafio. Para se ter uma ideia do quão complexa é essa produção, no caso de exportação, o Irã, por exemplo, leva uma parte do animal e o resto? Precisamos ter uma logística muito boa, com uma boa carteira para que tenhamos o máximo de rentabilidade. E hoje, não temos uma previsibilidade, uma regularização de produção”, explicou.

“É inegável a melhoria da carne brasileira nos últimos anos. E estes avanços se devem ao desenvolvimento da genética aliada à nutrição do animal”, completou Fabiano Tito Rosa. “Mas, é preciso lembrar que temos muitas pecuárias dentro do Brasil. Na média, ela é interessante, mas no geral é muito heterogênea. Queremos reduzir essa amplitude com o PEC”, acrescentou.

PEC

O Programa se dará de forma voluntária por parte dos pecuaristas. Os interessados devem se inscrever por meio do site.
Nesta primeira edição, o Programa terá início em março de 2019 com finalização em agosto.