Cristina Rappa
Uma oportunidade para quem conservou florestas
24 de abril de 2019
Proprietários de terras do PR que preservarem áreas naturais podem ter recompensa financeira
26 de abril de 2019

Lavouras brasileiras mantêm boa produção mesmo com clima adverso

Daniel Caron/Expedicão Safra

Apesar da estiagem, produção brasileira de soja e milho ultrapassa as 200 milhões de toneladas, o que comprova sua “resiliência”e alta tecnologia empregada. O levantamento é da Expedição Safra

Redação*

Daniel Caron/Expedicão Safra

A última safra de soja e milho no Brasil foi marcada pela instabilidade climática nos meses de dezembro e janeiro em diversas regiões do país. Mesmo afetados pelo calor intenso e a estiagem, os produtores conseguiram superar os problemas climáticos, mantendo a produção de soja na faixa dos 115,8 milhões de toneladas e a de milho na casa de 90 milhões. Após passar por 12 estados brasileiros entre outubro de 2018 e março de 2019, a equipe da Expedição Safra avalia os resultados da produção de grãos brasileira como satisfatórios, mesmo com as dificuldades encontradas.

A produção desta safra é quase equivalente a do período 17/18, que alcançou os 115,4 milhões de toneladas de soja e 87,9 milhões de toneladas de milho. O coordenador da Expedição Safra da Gazeta do Povo, Giovani Ferreira, explica que o uso de tecnologias e de boas técnicas de manejo foram essenciais neste processo. Comparando com as estimativas iniciais da expedição, que era de uma produção com cerca de 122 milhões de toneladas, a quebra em cima do potencial produtivo foi menos que 10%, visto que encerramos o ciclo brasileiro com 115,8 milhões. Isso significa que a recuperação em volume que foi equivalente a do ano passado”, destaca o coordenador da Expedição.

Para o coordenador de Câmaras Especializadas de Agronomia do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), Kleber Santos, a competência do agricultor brasileiro e a formação técnica dos profissionais foram fatores determinantes para a consolidação da boa produtividade agrícola.

No caso dos engenheiros agrônomos, há grau crescente de capacidade para aplicar tecnologias visando maximizar o uso de insumos, com redução de custos e, aumento da produtividade”, declara Santos. “Apesar das últimas revisões que reduziram a expectativa da safra de milho e soja, registra-se a consolidação da produção brasileira, ultrapassando as 200 milhões de toneladas”, completa.

De acordo com o jornalista do Núcleo de Agronegócio da Gazeta do Povo da Expedição Safra, Marcos Tosi, que acompanhou alguns dos roteiros do projeto, “quem plantou mais cedo e apostou na plantação precoce da soja, acabou sendo apanhado pelo calor excessivo de dezembro. Porém, nas outras variedades, no ciclo normal e no ciclo tardio, os produtores conseguiram se recuperar”.

Safrinha

Marcos Tosi destaca também que as expectativas para a Safrinha – colheita de inverno do milho – são positivas. “Com a perda na soja precoce, que foi colhida rapidamente, os produtores acabaram acelerando o plantio da safrinha, que está sendo muito boa. De alguma forma ela vai compensar, talvez não em renda, pois o milho não vale tanto quanto a soja, mas em volume com certeza”, aponta o jornalista.

Sendo a China o principal país importador de soja brasileira e o Irã o maior importador de milho, a projeção é que sejam exportadas, juntas, cerca de 106 milhões de toneladas das culturas. Serão cerca de 77 milhões de toneladas de soja e 29 milhões de milho.

Roteiros

No Brasil os estados visitados no roteiro técnico-jornalístico foram: Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Goias, Maranhão, Tocantins, Bahia, Piauí. Seis seminários técnicos – Brasília (DF), San Alberto (Paraguai), Itapeva (SP), Rio Verde (GO), Bom Jesus (PI) e Londrina (PR) – reuniram lideranças da agropecuária para debater oportunidades e desafios do mercado, tendências climáticas e projeções do setor.

A equipe também passou pela América do Sul, Paraguai, Argentina e Uruguai, onde constatou a recuperação da Argentina em relação a safra anterior, a quebra no Paraguai por problemas climáticos e o potencial da rota dos grãos pela hidrovia Paraguai-Paraná.

A última etapa da atual edição da Expedição Safra acontece em maio, com uma visita inédita ao México. A equipe irá conferir o potencial do comércio agrícola mexicano com o Brasil. O país da América Central aumentou seu interesse em produtos brasileiros para não ficar tão dependente do fornecimento dos Estados Unidos, diante das constantes escaramuças comerciais e diplomáticas com o governo do presidente Donald Trump.

*com informações da Expedição Safra.

Foto: Daniel Caron/Expedição Safra.