Rubens Chaves/Pulsar Imagens
Nestlé abre plataforma piloto de blockchain para consumidor rastrear cadeia de suprimentos
4 de julho de 2019
Evolução da pecuária de corte
22 de julho de 2019

Fundecitrus promove workshop sobre citricultura sustentável e controle de doenças e pragas

Pomar de laranja em Conchal/SP. Foto: Delfim Martins

No evento, em Araraquara/SP, em 31 de julho, também serão apresentados os resultados dos levantamentos 2019 de greening, CVC e cancro cítrico. Organização atingiu a marca de produção de 3 milhões de vespinhas inimigas naturais da praga transmissora do greening

Pomar de laranja em Conchal/SP. Foto: Delfim Martins/Pulsar Imagens

O Fundecitrus realizará, em sua sede, em Araraquara/SP, um workshop gratuito sobre citricultura sustentável e controle de doenças e pragas, em 31 de julho, a partir das 9 horas. O evento contará com a presença de especialistas em sustentabilidade que irão abordar o tema dentro de seus três aspectos: ambiental, econômico e social. Também serão apresentados os dados do levantamento de doenças 2019. Para participar, é necessário se inscrever pelo link https://www.fundecitrus.com.br/cursos/inscricao

O caminho para uma citricultura sustentável passa por melhorias na forma de manejar o pomar, para manter sua sanidade, sintonizadas com as novas tendências de produção, mais modernas, com economia de recursos naturais e menos impactantes ao meio ambiente, garantindo a manutenção do setor citrícola como um importante gerador de renda e emprego. O Brasil é responsável por 34% da laranja e 56% do suco produzido no mundo e tem 76% de participação no comércio mundial de suco de laranja, sendo o maior exportador da bebida no planeta. O parque citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro é a principal região produtora: a citricultura está presente em 350 municípios, gerando 200 mil empregos diretos e indiretos e movimentando US$ 14 bilhões por ano. 

Na última década, o Fundecitrus tem buscado em suas linhas de pesquisa formas sustentáveis de manejar os pomares. Como resultado, entregou aos produtores um pacote de premissas que inclui a redução do volume de calda (água e produto químico) nas aplicações, o desenvolvimento de inseticidas naturais e o uso de controle biológico.

Controle biológico do greening

Neste mês de julho, a organização anunciou a produção de 3 milhões de vespinhas Tamarixia radiata, desde a criação de seu Laboratório de Controle Biológico, em 2015, que tem capacidade para criar até 100 mil vespas/mês. A T. radiata, inimigo natural do psilídeo, é utilizada para o controle biológico desse inseto, transmissor do greening, a pior doença da citricultura, em áreas externas aos pomares comerciais.

De acordo com os técnicos do Fundo, o uso de T. radiata tem alta eficiência: uma só fêmea pode controlar até 400 psilídeos e, em campo, pesquisas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz – ESALQ/USP comprovaram que há eliminação de até 70% da população da praga. A soltura da vespinha não causa desequilíbrio ambiental. 

A vespinha é uma ferramenta importante no controle externo do greening, feito nos arredores das fazendas, em locais com a presença de murtas (damas da noite) e plantas de citros que não recebem o controle recomendado para a doença, como em vilas, bairros rurais e pomares abandonados – isso porque o psilídeo utiliza essas plantas para se alimentar e se reproduzir e pode migrar para pomares comerciais. Quando não é possível realizar a troca dessas árvores por outras espécies ornamentais e frutíferas, que não são atrativas ao psilídeo, é feita a soltura das vespinhas: a T. radiata deposita seus ovos embaixo das ninfas do psilídeo, que servem de alimento para as larvas quando elas nascem. 

Programação do evento:

9 h – Recepção 

9h30 – Abertura (presidente do Fundecitrus – Lourival Carmo Monaco) 

9h40 – Importância da sustentabilidade no agronegócio (diretora do Instituto de Relações e Sustentabilidade Agro – Letícia Rodrigues da Silva) 

10h – Resultado do levantamento de doenças 2019 – greening, CVC e cancro cítrico (gerente-geral do Fundecitrus – Juliano Ayres) 

10h20 – Coexistência citricultura e apicultura (pesquisador da Unesp – Osmar Malaspina) 

Coffee break 

10h40 – Segurança no trabalho na citricultura (pesquisador do CEA/IAC – Hamilton Ramos) 

11h – Controle biológico de pragas dos citros nas últimas três décadas (pesquisador da Esalq/USP – José Roberto Postali Parra) 

11h20 – Mesa de discussão (perguntas e respostas) 

12h – Encerramento 

Serviço: 

O que é? Workshop – Citricultura sustentável e controle de doenças e pragas dos citros 

Quando? 31 de julho, a partir das 9 horas 

Onde? Av. Dr. Adhemar Pereira de Barros, 201 – Vila Melhado – Araraquara/SP. 

Inscrições: https://www.fundecitrus.com.br/curso