stock_exchange
Desconhecimento sobre campo leva startups de agricultura digital e alimentos ao insucesso
21 de outubro de 2019

Ferrugem asiática faz mercado de fungicidas para soja crescer 30%

Trator com barra fazendo aplicação de inseticida em plantação de soja transgênica na zona rural Local: Cascavel PR Brasil Data: 201301 Código: 59DM148 Autor: Delfim Martins

Giro financeiro da categoria ficou próximo a US$ 430 milhões na temporada passada

Trator aplica defensivo agrícola em lavoura de soja no Paraná. Foto: Delfim Martins/Pulsar Imagens

O recém-divulgado estudo BIP – Business Inteligence Panel, da consultoria Spark Inteligência Estratégica, mostra que o segmento de fungicidas protetores ou multissítios para soja segue crescendo no País. Utilizados principalmente no manejo de resistência do fungo causador da ferrugem asiática, os insumos movimentaram cerca de US$ 430 milhões na safra 2018/19, quase 30% acima do ciclo anterior, e tiveram ampliada a participação, de 14% para 17%, no mercado total de fungicidas (US$ 2,5 bilhões).

Segundo a Spark, as vendas de fungicidas protetores para soja mais que dobraram desde a safra 2016/17, quando eram da ordem de US$ 218 milhões. Na média das últimas três safras, destaca a Spark, a taxa de crescimento anual composta da demanda desses produtos foi superior a 40%. De acordo com a empresa, atualmente os protetores chegam a 54% da área cultivada com a oleaginosa.

“A expectativa é a de o segmento permanecer com tendência de alta, frente às dificuldades do produtor para controlar a ferrugem asiática. O aumento da resistência do fungo causador da doença requer a continuidade da realização eficiente do chamado manejo de resistência, que pressupõe aplicações preventivas e a rotação entre fungicidas com diferentes modos de ação durante a safra”, explica Alberto Oliveira, coordenador de projetos da Spark.

Levantamentos anteriores respaldam a avaliação do executivo. No ciclo 2014/15, a Spark apurou que a adoção média de fungicidas protetores era de 6% da área plantada. Já na temporada 2016/17, o mesmo índice chegou a 38%. Nas duas últimas safras, a aplicação de protetores disparou e a utilização dos produtos atingiu 54% da área total de 34,3 milhões de hectares cultivada com soja no Brasil no ciclo 2018/19, uma alta de 10% ante o período anterior.