Financiamento de máquinas agrícolas vai mudar
30 de abril de 2019
FMC abre vagas de estágio para estudantes de Agronomia
3 de maio de 2019

Coopercitrus aposta em energia limpa para tocar sua operações

Coopercitrus/Divulgação

DCIM100MEDIADJI_0513.JPG

Cooperativa, sediada em Bebedouro/SP, inaugura a maior usina fotovoltaica do agro no Estado. Objetivo é a sustentabilidade energética de suas operações, com economia, maior previsibilidade e energia limpa

Coopercitrus/Divulgação

Redação*

A Coopercitrus inaugurou no final de abril, em seu complexo de grãos, localizado na Rodovia Faria Lima km 378,5, em Bebedouro, interior de São Paulo, sua usina fotovoltaica. O complexo energético conta com 3.600 placas instaladas, em uma área equivalente a 10 mil m², o equivalente a um hectare, e deverá ter produção de 1.987MWh/ano.

Inicialmente, o fornecimento de energia limpa e sustentável produzida pelo complexo compensará as despesas de energia de 27 unidades consumidoras da cooperativa. Futuramente, deve gerar energia para rodar as atividades agropecuárias de seus cooperados e da comunidade. Para a construção da usina, a Coopercitrus afirma ter investido R$ 5 milhões, investimento para o qual contou com a parceria da empresa Solbras e com o apoio do Banco Safra.

 Segundo José Vicente da Silva, presidente do conselho de administração da Coopercitrus, que divulgou a usina na Agrishow 2019 (foto à esq.), evento que termina nesta sexta-feira (03) em Ribeirão Preto, um dos principais objetivos da cooperativa é “oferecer e desenvolver soluções integradas inovadoras, que resultem em sustentabilidade, beneficiando aos cooperados, a comunidade onde está inserida e o meio ambiente”.

“A inauguração do complexo fotovoltaico pode ser descrito como um marco para a cooperativa. É o início de uma operação que pode crescer muito mais, inclusive com a coparticipação de nossos cooperados e parceiros do setor de geração de energia. É um dos primeiros e, um dos maiores projetos de energia fotovoltaica de cooperativa agrícola do país, porém, mais importante, que o pioneirismo, é que, com a nova unidade, a Coopercitrus será ainda mais competitiva e com muitos benefícios na sustentabilidade, com geração de energia de fontes renováveis”, afirma, em nota, da Silva, listando os benefícios: redução do valor pago na conta de energia, segurança energética e previsibilidade, na eliminação de riscos com interrupção e preços preestabelecidos.

A Coopercitrus anunciou um faturamento de R$ 4,112 bilhões em 2018, com as operações próprias e da Agripetro, que compõe o Grupo. O resultado representa alta de 26,9% sobre o valor de 2017 (R$ 3,24 bilhões).

*com informações da Coopercitrus.