Valter Campanato
Brasil deve priorizar qualidade do seu grão, para ganhar mais
23 de abril de 2019
Cristina Rappa
Uma oportunidade para quem conservou florestas
24 de abril de 2019

Benefícios e a realidade do manejo sustentável

Com o avanço da produtividade, novos desafios foram surgindo no campo e, com isso, foram criadas novas tecnologias de controle e manejo fitossanitário sustentável, fundamental para termos uma agricultura eficiente e competitiva

Por José Otavio Menten* 

Um manejo sustentável é aquele que é eficiente e durável. Quando se fala em sustentabilidade, levam-se em consideração os aspectos ambientais, sociais e econômicos. É utilizar uma série de medidas que não só resolva o problema, mas respeite também o meio ambiente e o círculo social em volta.

Atualmente, o manejo de pragas envolve diferentes métodos: o genético que é o uso de cultivares resistentes; o cultural, que é a rotação de culturas; os físicos,  por exemplo, a capina mecânica; os biológicos, com o uso de organismos que são antagônicos as pragas; os legislativos, que são normas que reduzem ou impedem a entrada e/ou proliferação de pragas; e o químico, que utiliza produtos fitossanitários.

E para que uma produção seja sustentável, independente se é uma pequena horta ou uma grande lavoura de grãos, algodão ou cana-de-açúcar, há a necessidade de utilizar esse manejo integrado e sustentável. São usadas simultaneamente, ou em sequência, todas as medidas desse manejo, deixando para utilizar o químico – que hoje é o que mais causa preocupação – quando as outras medidas, geralmente preventivas, não são utilizadas. Hoje, 100% das áreas cultivadas no Brasil utilizam esse formato.

Uma área produtiva sustentável é aquela em que é possível produzir por anos e anos, com o desafio de aumentar o rendimento e a produção por unidade de área, sem esgotar os recursos naturais e seguindo as boas práticas agrícolas.

Quando utilizado de forma correta, o manejo sustentável causa diversos efeitos positivos nos âmbitos social, ambiental e econômico, desde que o agricultor siga as recomendações de profissionais habilitados.

Entre as vantagens do social, estão a geração de empregos para a comunidade local e a produção de alimentos mais baratos pra toda a população, que é cada vez mais urbana e depende das poucas pessoas que permanecem na zona rural; no ambiental, esse tipo de produção não irá degradar o meio ambiente, como acontecia no passado quando produzia-se e abandonava-se a área e ia para uma nova, será produtivo em uma área, respeitando o ambiente, não degradando o solo, não poluindo a água e não causando danos a biodiversidade; e econômico, pois gera emprego e renda para os empreendedores rurais, desde um pequeno a um grande produtor.

*Presidente do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), Eng. Agrônomo, Mestre e Doutor em Agronomia, Pós-Doutorado em Manejo de Pragas e Biotecnologia e Professor Associado da ESALQ/USP.