ANP aprova aumento do percentual de adição de biodiesel ao óleo diesel
7 de agosto de 2019
Agroleite 2019 terá programa Descarte Zero
12 de agosto de 2019

Agricultura orgânica é melhor para o meio ambiente?

Agricultora empurra carriola com esterco em horta orgânica Local: Campo Grande MS Brasil Data: 201803 Código: 22CD098 Autor: Cesar Diniz

Os orgânicos não são melhores para o meio ambiente e são moda, enquanto o cultivo convencional usa produtos testados e aprovados por três ministérios e é monitorado. Mas, de qualquer forma, a orgânica tem seu espaço e importância para a população 

*Por Ciro Rosolem*

A agricultura orgânica é moda. Segundo o que se divulga em revistas e jornais de grande circulação, de acordo com os nutricionistas e nutrólogos, consumir alimentos orgânicos vai salvar você e o planeta. Como todas as modas, há verdades e mitos sobre este tipo de prática agrícola. Normalmente, as publicações aparecem com artigos eivados de conceitos errados e meias verdades. Entretanto, um aspecto, extremamente importante, deveria ser mais bem esclarecido.

Os orgânicos não são melhores para o meio ambiente. Ao se colocar, por exemplo, que eles evitam a contaminação em cadeia das áreas agrícolas e dos cursos d’água, se assume que a produção tradicional contamina, o que não é verdade. Agroquímicos, desde que aplicados de acordo com as recomendações técnicas, têm efeito negligível sobre abelhas e não deixam resíduos no solo ou na água.

Entretanto, e principalmente, há um fator fundamental pelo qual a produção orgânica de alimentos é muito pior do que a convencional para o meio ambiente: ela emite muito mais gases de efeito estufa. Portanto, é muito pior em relação ao potencial de aquecimento global.

Vejamos: Primeiro, a agricultura orgânica tem produtividade bem menor que a convencional. Assim, exige mais terra para produzir quantidade semelhante de alimentos e usar mais terra significa desmatar mais. Estima-se que, somente no Brasil, a moderna tecnologia agrícola evitou que fossem desmatados, aproximadamente, 70 milhões de hectares de florestas. Esta é uma área maior que a atualmente explorada para a produção de grãos no Brasil.

Segundo, além de usar mais terra, como a área é maior, a emissão de carbono para a produção, que guarda relação com a área, é também maior. Ainda, quanto maior a produtividade, menor o índice de emissão de gases de efeito estufa, por unidade de produto. Como na agricultura orgânica a produtividade é mais baixa, a pegada de carbono dos produtos é maior.

Terceiro, a agricultura orgânica depende de adubos orgânicos e/ou compostos. Tanto os estercos animais como os compostos são potentes emissores de gás carbônico para a atmosfera. No caso de estercos, a emissão de óxido nitroso, muito mais danoso que o gás carbônico, é grande, em função do que tem urina animal.

Quarto, ao contrário do que se acredita, a agricultura orgânica utiliza sim, defensivos não biológicos. É o caso de defensivos, permitidos e usados, que tem cobre em sua composição, um metal pesado. 

E quinto e por último, ao inverso dos produtos da agricultura convencional, em que se usam produtos testados e aprovados por três ministérios, e regularmente são colhidas amostras para monitoramento da contaminação, nada disso ocorre com produtos orgânicos.

Desta forma, a agricultura orgânica tem seu espaço e sua importância para a população. É um nicho de mercado importante para os agricultores. Não precisa de invencionices para ser justificada. A opção pelos alimentos orgânicos não pode ser feita com base em mitos.

*vice-presidente de Comunicação Científico Agro Sustentável (CCAS) e Professor Titular da Faculdade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu).

Foto interna: Tatiana Ferro/ANDEF; foto na Home: Cesar Diniz/Pulsar Imagens.