Relatório GPCI 2021 da Mori Memorial Foundation: a Covid-19 gera desafios e oportunidades para cidades
25 de novembro de 2021
Conferência do Clima trouxe avanços para a agenda da sustentabilidade
25 de novembro de 2021

Uso de energia solar no país deve aumentar quase 70% neste ano

São Paulo, SP 25/11/2021 – O sistema de energia fotovoltaica, por exemplo, reduz a conta de luz em até 95%.

Dados do Ministério de Minas e Energia revelam ainda que quantidade de geração solar distribuída triplicou este ano em relação a 2020.

Até o fim de 2021, a geração de energia solar deve chegar a 18 terawatts (TWh), um aumento de 67% com relação aos 10,7 TWh medidos em 2020. Os dados do Boletim Mensal de Energia, divulgados em agosto pelo Ministério de Minas e Energia citam ainda o aumento expressivo da energia eólica de 23% com relação a 2020, mostrando que a tendência de investimento em energias mais limpas vem se consolidando.

A medida alivia o peso dos altos índices de aumento nas contas de luz. Segundo dados de outubro do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os brasileiros sentiram este ano no bolso uma  alta de 24,97% no valor da energia elétrica. Junto com o gás de cozinha, que acumulou aumento de 31,65% em 2021, esses itens considerados básicos vêm corroendo o poder de compra do consumidor, que busca cada vez mais alternativas para economizar.  

Pensando nessa perspectiva, e também atendendo ao compromisso do Plano Nacional de Energia 2050 (PNE 2050), que prevê nortear as decisões de política energética a longo prazo, o  Governo reduziu, até o fim do ano, os impostos sobre painéis solares e outros equipamentos para geração de energia limpa. A medida é acompanhada de perto pelo setor.

De acordo com o engenheiro de Projeto e engenheiro Eletrônico de Gestão de Negócios, José Íris de Oliveira Júnior, a utilização da energia limpa para geração de eletricidade vem ganhando cada vez mais visibilidade, pois, além de ajudar na diminuição do efeito estufa e do aquecimento global, traz benefícios financeiros. “O sistema de energia fotovoltaica, por exemplo, reduz a conta de luz em até 95%. Além disso, os painéis solares estão cada vez mais potentes ao mesmo tempo em que o seu custo vem se reduzindo”, disse. Segundo ele, atualmente, os países que mais utilizam energia solar são Alemanha, China, Itália, Japão e Estados Unidos.

Dados da PNE 2050, extraídos da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), apontam que o Brasil tem grande potencial para a instalação de equipamentos de geração de energia solar e já corresponde a três gigawatts em potência instalada. O PNE 2050 aponta como principais desafios a preparação para uma matriz com grande percentual de geração variável não controlável e o fato de lidar com o descarte e reciclagem de equipamentos.

Desconhecimento impede aumento do uso da energia solar no país

Embora a energia solar seja uma tendência, Júnior ressalta que ainda existem algumas dúvidas que freiam o crescimento dessa modalidade. “Muitos se perguntam se os painéis param de produzir em dias nublados ou chuvosos. A resposta é que a produção de energia solar não é interrompida totalmente, visto que alguns raios conseguem atravessar a parede nublada e continuar seu trabalho na geração de energia. Caso essa geração não seja suficiente para suprir a sua demanda, não há motivo para se preocupar. É neste momento que os créditos de geração de energia, produzidos quando seu sistema gera mais energia do que consome, começam a ser consumidos”, explica o profissional com dez anos de experiência nas áreas de controle de qualidade.

Outro ponto que permanece de maneira equivocada no imaginário popular é de que a energia solar fotovoltaica não é viável economicamente. Estudo intitulado “Análise da expansão da energia solar fotovoltaica no Brasil” detalha que o tempo de retorno com a utilização dessa tecnologia é de aproximadamente quatro anos e que sua duração é de até 30 anos. Outro detalhe revelado é que esse tipo de fonte já apresenta redução de aproximadamente 30% no custo de aquisição.

O estudo relata ainda medidas aplicadas pelo Governo, como, por exemplo, a Resolução nº 687 publicada pela ANEEL, que tornou possível a geração distribuída em condomínios residenciais e empresas por meio de consórcios, com porcentagens definidas pelos próprios consumidores. Dessa forma, uma única usina pode atender vários clientes, como por exemplo aqueles que não têm espaço disponível, aumentando assim o leque de atendimento das usinas de fonte solar fotovoltaica.